sábado, 20 de maio de 2017

Pegas, panos de cozinha e tear tridente

Eu comento que não tenho feito quase nada de mãos...
mas na verdade agora vou mostrar o que tenho feito
ao longo do tempo em que não publiquei nada aqui.

Falta de vontade... preguiça... desmotivação...
não sei bem por que não tenho publicado mesmo o pouco
que tenho feito... sim, porque ao serão
tenho sempre agulhas entre os dedos. 
À tarde tento desenferrujá-los sobre o teclado do piano,
mas nesta ocupação fico triste com a perda de agilidade!...

Fiz dois casaquinhos de bebé, mas hoje mostro estas utilidades
para oferecer às amigas... quando me dizem que gostam muito!
Chegando o tempo quente não pego em lãs, 
mas não fico parada!
 A nossa amiga Nina 
-  minha muito querida amiga Nina -
dotada de soberbo talento e inesgotável energia,
entre inúmeras outras qualidades, 
tem-me dado imensas ideias. (Obrigada, querida!)
Já tive aquela energia e ideias... mas sem a sua exuberância!
Já me sinto com falta de ideias e pouca energia,
mas a minha musa inspiradora dá-me alento
e transporta-me ao tempo em que eu fazia tudo... quase tudo!...
Na poupança sou como a Nina! Não deito nada fora!
Aproveito todas as migalhinhas nas receitas de culinária, 
todos os retalhinhos nas costuras, todas as pontinhas de fios
nos tricôs e crochés 
e com restinhos de algodão tenho feito o que agora mostro:
pegas para as asas das panelas e para as tampas, sim,
tenho algumas que aquecem!
 Na Ravelry encontrei estes panos de cozinha e desde então
 tenho feito muitos para mim e para oferecer.
São ótimos para limpar a bancada e o fogão, 
têm de ser feitos com algodão/trama, sem fibras sintéticas.
Quando não tenho nada que fazer... faço estas coisas
sem olhar para as agulhas que deslizam entre os fios
enquanto vejo cinema na TV.
 Este dos restinhos com amarelo, 
foi tricotado com três fios finos que dobei juntos.
Durante arrumações mergulhei no baú das linhas antigas
e meti mãos à obra.
 Mostro os quadrados do tear tridente que eu própria construí.
Usei fios esquecidos e vou agrupando em montinhos de dez
enquanto penso no que farei a seguir com eles!
 Estes quatro quadrados com 30cm de lado 
aguardam envio para mantas solidárias.
 Não podia acabar melhor este post:
uma das minhas netinhas de 7 anos que quis aprender
esta técnica com a vovó! 
Muito habilidosa, observou, pegou e teceu!
Na próxima "aula" irá aprender a entrelaçar o fio no tear
antes de tecer. 
Em casa poderá fazer mais, porque eu fiz-lhe também um tear.
Agora, depois de análises, consultas médicas, visitas à família,
convívios com colegas e amigos de muitos anos,
ida à capital por duas etapas e com regresso pelas capelinhas...
vou ver se consigo retomar a rotina visitando os vossos blogues
e também não deixando arrefecer os meus!
UM ABRAÇO

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Blazer

Não sou pessoa muito interessada em moda.
Compro roupa só quando preciso e não só porque gosto!
Vou usando o que ainda me serve 
e fico contente quando visto roupa com muitos anos:
quer dizer que não engordei... mais do que já estava gorda!!!...
Desta vez achei que precisava de um blazer à medida.
Faço umas costurinhas, mas casacos... nem me atrevo!...
A modista aqui perto de casa está velhota e já não costura.
De vez em quando eu metia-lhe nas mãos tecidos 
e a senhora chegou a fazer-me umas roupinhas muito giras!
Para este casaco lembrei-me da nossa amiga Mira
que costura muito bem, por trabalhos que vi da sua autoria.
Eu estava à espera de poder mostrar-vos o meu casaco novo
quando saísse com ele, mas como não saí a modos de o usar...
fotografei-me quando cheguei a casa e o vesti para ver como ficava!
Fica muito bem!
Numa saída para perto da capital do norte, onde fiquei vários dias, 
resolvi colocar o tecido nas mãos da Mira 
e confiar no seu gosto: quem costura sabe o que se usa!
Tirou-me as mediiiiiidas... e eis o resultado:
uma nova fatiota e eu toda janota... 
pronta a desfilar!
 Durante as provas sempre passámos um tempinho juntas
e os maridos ficavam a conversar sobre literatura
enquanto a Mira me ia acertando os centímetros!...
O Luís, seu marido, possui uma vasta e rica biblioteca, bem como
uma invejável coleção de discos de excelente música erudita.
A foto mostra como a Mira é uma pessoa meiga e alegre.
Gostei muito dos momentos passados com este simpático casal.
Um dia destes saio para estrear o meu lindo casaco novo!
Obrigada, Mira!